Gobara: CIM Douro na buƙatar matakan gaggawa don tallafawa al'umma da gundumomi

Gobara: CIM Douro na buƙatar matakan gaggawa don tallafawa al'umma da gundumomi

A Comunidade Intermunicipal do Douro (CIM) exigiu do Governo medidas de apoio “urgentes” para mitigar os danos sofridos pelas populações, empresas e municípios de Murça, Alijó e Carrazeda de Ansiães, recentemente atingidos por grandes incêndios florestais. “A CIM Douro quer que o Governo preste à região um apoio extraordinário para mitigar os graves prejuízos económicos enfrentados pelas populações e cujos efeitos perdurarão nos próximos meses”, sublinhou hoje em comunicado enviado aos meios de comunicação social. A intenção da comunidade intermunicipal, que representa 19 municípios do Douro, foi comunicada ao Governo através de uma “carta formal” enviada aos Ministérios do Ambiente e Acção Climática, Agricultura e Alimentação, Administração Interna e Coesão. Territorial. A CIM solicita que sejam concedidos apoios, com “a maior urgência”, aos municípios atingidos pelos grandes incêndios florestais ocorridos em julho, nomeadamente Murça e Alijó, no distrito de Vila Real, e Carrazeda de Ansiães, no distrito de Bragança. “O incêndio rural de 17 de julho, em Murça, foi um dos mais violentos da memória da CIM Douro, causando a perda de vidas humanas e um elevado volume de danos, quer na floresta, quer nas explorações, pecuária e infraestruturas. público ”, conforme mencionado no comunicado. Entre 17 e 21 de julho, um incêndio que começou em Cortinhas, Murça, avançou também para Vila Pouca de Aguiar e Valpaços. O relatório de estimativa de danos, a que a agência Lusa teve acesso, revela que, em Murça, o incêndio afetou mais de 30% da área total da região. Durante este incêndio, morreu um casal de 69 e 72 anos da localidade de Penabeice, depois de o mota que os seguia ter caído num barranco. Foram encontrados mortos e as causas do acidente estão a ser investigadas pela GNR. Para a CIM Douro, a “dimensão deste incêndio, o impacto negativo na economia e o impacto social que tem na população de Murça e região, exigem a ativação de medidas urgentes em diversas áreas de apoio às populações, empresas e municípios. ”. . A comunidade intermunicipal apela à “rápida estabilização de emergência na área ardida, corte e venda de material lenhoso, proteção de linhas e pontos de água, garantindo a segurança rodoviária na rede viária afetada e estradas florestais e agrícolas, face ao risco de queda de árvores”. ”. ”. Preconiza ainda “medidas de resposta de emergência destinadas a compensar economicamente as perdas, e outras capazes de relançar a actividade económica (silvicultura, agricultura, pecuária e outras) e infra-estruturas (rodoviária, municipal e protecção civil), de forma a garantir condições básicas medidas para o restabelecimento da normalidade de vida das populações”. Em seguida, apela à implementação de “medidas de prevenção que minimizem o risco de incêndios, com intervenção ao nível florestal, agrícola, pecuário e de proteção civil”. E, por fim, defende a implementação de “medidas capazes de dinamizar a economia do território, através de um projeto-piloto inovador de planeamento e gestão da paisagem e valorização dos recursos endógenos”. Para a CIM Douro, este incêndio rural “configura uma situação excecional, que exige a aplicação de medidas igualmente extraordinárias, como aconteceu no passado”, referindo-se aos incêndios de 2017. “As medidas e alertas existentes, especificamente para o setor florestal, agrícola , pecuária e infraestrutura pública não existem ou são claramente insuficientes para responder à calamidade. Nesse sentido, é absolutamente urgente a abertura de novos editais e linhas diretas de apoio às populações afetadas, empresas e municípios”, defendeu. Esta posição foi assumida por unanimidade pelos dezenove prefeitos que compõem a Comunidade Intermunicipal do Douro. Os concelhos de Alijó, Armamar, Carrazeda de Ansiães, Freixo de Espada, Ceniza de Espada à Cinta, Lamego, Mesão Frio, Moimenta da Beira, Murça, Penedono, Peso da Régua, Sabrosa, Santa Marta de Penaguião, São João da Pesqueira, Sernancelhe, Tabuaço, Tarouca, Torre de Moncorvo, Vila Nova de Foz Côa e Vila Real.

Labarai masu alaka

Leave a Comment

kuskure: