Itália. A coalizão de direita ganha espaço nas pesquisas com 48,2% das intenções de voto

A aliança de direita e extrema-direita, liderada pelo partido Irmãos da Itália, aumentou sua vantagem nas intenções de voto para as eleições legislativas do início de setembro, após a dissolução do bloco de esquerda liderado pelo Partido Democrático de Enrico Letta. O partido ultranacionalista Irmãos da Itália, que já reivindica o direito de sua líder, Giorgia Meloni, de assumir o cargo de chefe de governo, obteria 24,2% dos votos, segundo pesquisa divulgada nesta terça-feira pela rede Sky TG24 . No total, a coligação de direita somaria 48,2% dos votos, 2,2 pontos percentuais a mais que no levantamento anterior. Por outro lado, o bloco de centro-esquerda liderado pelo Partido Democrático (PD) recuou, de 33% para 28%, após a saída do pequeno partido centrista Azione (Ação). O líder dessa formação, Carlo Calenda, alegou falta de consenso e agora busca se reposicionar. O Movimento 5 Estrelas (M5S, anti-establishment) já deixou claro que ficará sozinho nas eleições antecipadas de 25 de setembro, enquanto o ex-primeiro-ministro Matteo Renzi e sua Italia Viva procuram atrair Calenda para um “terceiro bloco” alternativo . Isso parece cada vez mais tangível. O próprio Calenda se dispôs a falar com Renzi para fazer uma “proposta séria”, como reconheceu em declarações ao Canal 5, e o jornal La Presse dá como certo o pacto, que já estaria bastante avançado após as negociações entre representantes de ambos partes. Do lado conservador, tanto Meloni quanto o líder da Liga (de extrema-direita), Matteo Salvini, zombaram do “caos” que, na opinião deles, existe no bloco rival, enquanto a Força Itália, a formação do ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi, apresentou hoje uma campanha com a qual ambiciona recuperar parte do terreno perdido nos últimos anos em benefício de formações mais radicais. Berlusconi, no entanto, não fala sobre seu futuro político. “Vamos ver”, disse ele no rádio quando questionado sobre uma possível candidatura nas eleições, após este ano ter fracassado em sua tentativa de ser eleito presidente da Itália. O governo de unidade nacional, ainda em exercício, liderado pelo tecnocrata Mario Draghi, caiu após perder o apoio de três dos partidos que o apoiavam – M5S, Força Itália e Liga – em um voto de confiança no parlamento, que desencadeou a demanda pela renúncia do primeiro-ministro, aceita em 20 de julho, e pela antecipação das eleições em 25 de setembro.

Relevant news

Deixe um comentário

error: