O WhatsApp, o aplicativo de mídia social de propriedade da gigante Meta, tomou recentemente uma decisão polêmica que levantou preocupações entre pais e ativistas pela segurança online das crianças. A redução do limite de idade para utilização da aplicação de 16 para 13 anos na União Europeia e no Reino Unido representa uma mudança significativa

O WhatsApp, o aplicativo de mídia social de propriedade da gigante Meta, tomou recentemente uma decisão polêmica que levantou preocupações entre pais e ativistas pela segurança online das crianças.

A redução do limite de idade para utilização da aplicação de 16 para 13 anos na União Europeia e no Reino Unido representa uma mudança significativa nas políticas da empresa e levanta sérias questões sobre as suas prioridades para a proteção de menores.

Descontentamento dos ativistas de segurança infantil

A decisão do WhatsApp de reduzir a idade mínima exigida para usar o aplicativo foi recebida com desagrado pelos ativistas da segurança infantil, de acordo com uma reportagem do The Guardian. A mudança ocorre num momento em que há apelos crescentes para que as empresas de tecnologia reforcem as salvaguardas para os utilizadores mais jovens.

A organização Smartphone Free Childhood criticou a Meta por colocar o lucro antes da segurança das crianças, apontando a contradição entre a mensagem da empresa e as preocupações expressas por pais, professores e especialistas em segurança online.

Resposta regulatória

Por outro lado, o diretor de estratégia de segurança online do UK Ofcom, Mark Bunting, destacou o compromisso das autoridades em fazer cumprir as regras de segurança online.

Ele alertou que o Ofcom “não hesitará” em multar as empresas de mídia social que não protegerem seus usuários menores de idade, enfatizando a importância de seguir os códigos de práticas de segurança online. Esta posição é um sinal claro de que as autoridades estão prontas para agir para garantir um ambiente digital seguro para as crianças.

Metainiciativas para a proteção de menores

No contexto destes debates, a Meta anunciou o lançamento de novos recursos de segurança concebidos para proteger os utilizadores, especialmente os mais jovens, de riscos como “sextorsão” e abuso de imagens íntimas. A empresa começará a testar um filtro de mensagens diretas no Instagram chamado “Proteção contra Nudez”, que será habilitado por padrão para usuários menores de 18 anos. Ele irá desfocar automaticamente as imagens detectadas como contendo nudez, ao mesmo tempo que oferece opções para bloquear e denunciar o remetente, bem como mensagens de suporte para os usuários.

Estas medidas, embora sejam um passo na direção certa para proteger os menores online, levantam questões sobre a sua eficácia e sobre a forma como as empresas tecnológicas equilibram a proteção dos utilizadores com a liberdade de expressão e os interesses comerciais. A redução do limite de idade para utilização do WhatsApp continua a ser um tema de intenso debate, refletindo as tensões entre a necessidade de proteger as crianças no espaço digital e os desafios de regular um ambiente tão vasto e em constante mudança.

Atualizado em by Ayesha de Kretser
Registro Rápido

Obtenha um Bônus de 50% agora. Até 90% de lucro em 60 segundos. Conta demo gratuita!!

90%
Pontuação de Confiança

Ganhe $10.000 Virtuais Ilimitados! Depósito Inicial Não é Necessário.

icon Saiba Mais! icon Saiba Mais!
Pontuação de Confiança
icon Saiba Mais! icon Saiba Mais!
Pontuação de Confiança
icon Saiba Mais! icon Saiba Mais!
Risco de Perda de Capital
Pontuação de Confiança
O WhatsApp, o aplicativo de mídia social de propriedade da gigante Meta, tomou recentemente uma decisão polêmica que levantou preocupações entre pais e ativistas pela segurança online das crianças. A redução do limite de idade para utilização da aplicação de 16 para 13 anos na União Europeia e no Reino Unido representa uma mudança significativa
banner image