Quem é Satoshi Nakamoto? Ele é o Verdadeiro Inventor do Bitcoin?

Quem é Satoshi Nakamoto?

Por que Satoshi Nakamoto Poderia Querer Permanecer Anônimo

Satoshi Nakamoto minerou o primeiro Bitcoin em 3 de janeiro de 2009 — por volta das 18:15:05 UTC —. O que era apropriado, já que Satoshi está para Bitcoin como Alexander Graham Bell estava para o telefone.

O inventor havia revelado a criação a uma pequena comunidade online de cientistas da computação obcecados por criptografia e hackers dois meses antes.

Naquela cena, Satoshi já era um nome familiar — se não um nome real. Anos antes de o mundo ouvir uma palavra sobre Bitcoin, alguém usando o pseudônimo Satoshi Nakamoto havia postado em quadros de mensagens e enviado e-mails a outros desenvolvedores, nunca identificando um local, uma nacionalidade, ou mesmo um nome real.

Satoshi lançou o Bitcoin (BTC) e viu que ele começava a ter sucesso, e então — em abril de 2011 — enviou um e-mail para um amigo desenvolvedor dizendo: “Eu mudei para outras coisas”.

Depois disso?  Satoshi Nakamoto desapareceu misteriosamente.

Quem é Satoshi Nakamoto?

Satoshi Nakamoto: O que Ele Disse Sobre Bitcoin?

A questão da verdadeira identidade do criador de Bitcoin é um dos maiores mistérios modernos.

Quem foi Satoshi Nakamoto? Por que esse nome? E para onde foi Satoshi?

Além de ter inventado um tipo de dinheiro inteiramente novo, que passou a atingir um limite de mercado de mais de US$ 1 trilhão, acredita-se que Satoshi possui mais de um milhão de bitcoins, que valeria dezenas de bilhões de dólares em março de 2021.

(Nota: Em algumas partes da história inicial do Bitcoin, nos referimos à Satoshi como “ele” ou “ele” porque as pessoas com quem Satoshi Nakamoto se comunicava na época presumiam que o criador do Bitcoin era um homem jovem.

Mas é claro que o gênero Satoshi é uma das incógnitas. Outro é se o inventor de Bitcoin trabalhava sozinho; alguns especialistas suspeitam que Satoshi é, na verdade, um grupo de desenvolvedores).

Se a Satoshi deixou pistas, elas podem ser encontradas no código e nas mensagens que o inventor do criptograma escreveu entre 2008 e 2011.

Toda a produção, numerando apenas algumas centenas de mensagens totais que consistem principalmente de posts para um fórum que ele criou chamado BitcoinTalk em 2009, foi meticulosamente catalogada como um texto sagrado.

Neste ponto, milhões de pessoas já se debruçaram sobre as palavras de Satoshi, mas quando foram escritas pela primeira vez, elas foram lidas por algumas dezenas de membros herméticos da Cryptography Mailing List — composta por programadores especializados em inventar técnicas para uma comunicação segura.

Muitos na lista de e-mails foram identificados como “cypherpunks” que defendiam o uso da criptografia para provocar mudanças sociais e políticas.

Por sua própria conta, Satoshi Nakamoto começou a codificar a primeira versão do Bitcoin na linguagem de programação C++ em algum momento da primavera de 2007.

Em 2008, ele compartilhou sua idéia com dois colegas criptógrafos que haviam lançado as moedas proto-cryptocurrency b-money e Hashcash. Logo depois, ele compartilhou sua idéia mais amplamente através da Cryptography Mailing List.

O Bitcoin foi inicialmente recebido com um bocejo coletivo. “Quando Satoshi anunciou o Bitcoin na lista de discussão de criptografia, ele teve uma recepção cética na melhor das hipóteses”, lembrou o lendário criptógrafo Hal Finney, a primeira pessoa a receber Bitcoin de Satoshi. “Os criptógrafos viram muitos enormes esquemas por noobs sem noção. Eles tendem a ter uma reação.

O anúncio de Outubro de 2008 de Satoshi — um whitepaper delineando a mecânica do Bitcoin — não teve o tom bombástico que você esperaria de alguém que entendeu que ele estava prestes a mudar o mundo. “Tenho trabalhado em um novo sistema eletrônico de dinheiro totalmente peer-to-peer, sem terceiros confiáveis”, escreveu Satoshi, na verdade.

Mas um pequeno manuscrito de nove páginas introduziu uma solução para um problema complicado que havia atormentado a comunidade cypherpunk por anos. Uma moeda é utilizada mais de uma vez em diferentes transações em um dado sistema de cripto, Satoshi chamou de “o problema dos gastos duplos”.

Como você pode evitar que uma moeda sem forma física seja duplicada como qualquer outro arquivo de computador e gasta repetidamente — a forma como as crianças compartilharam cópias infinitas de mp3s Eminem via Napster no início dos anos 2000?

“Propomos uma solução para o problema da duplicação de gastos usando uma rede peer-to-peer”, escreveu Satoshi.

Um sistema peer-to-peer eliminaria a necessidade de qualquer tipo de autoridade central (como uma empresa de cartão de crédito ou um banco) para validar as transações.

A necessidade de autoridades centrais, fundamentada por Satoshi, foi o ponto de falha para tentativas anteriores de moedas virtuais. “Muitas pessoas automaticamente rejeitam a moeda eletrônica como causa perdida por causa de todas as empresas que falharam desde os anos 90”, escreveu ele.

“Espero que seja óbvio que foi apenas a natureza controlada centralmente daqueles sistemas que os condenaram. Penso que esta é a primeira vez que somos um sistema descentralizado, não baseado em confiança”.

Para realizar este sistema “trustless”, Satoshi propôs um livro-razão (ledger) compartilhado disponível ao público que documentaria cada transação. Ele o chamou de “a cadeia de blocos (Blockchain)”.

A independência do Bitcoin do sistema financeiro existente era uma idéia que deve ter sido particularmente atraente na época, uma vez que  Satoshi tinha acabado de testemunhar o derretimento do sistema financeiro global por causa de apostas amplamente irresponsáveis feitas por grandes bancos de investimento.

Satoshi Nakamoto

“O problema raiz da moeda convencional é toda a confiança necessária para que ele funcione”, observou Satoshi. “Os bancos devem ser confiáveis para segurar nosso dinheiro e transferi-lo eletronicamente, mas eles o emprestam em ondas de bolhas de crédito com apenas uma fração em reserva”.

No “modelo baseado na confiança” do comércio pela Internet, terceiros como processadores de pagamentos colhem recompensas por atuarem como intermediários. O Bitcoin poderia tornar os intermediários obsoletos. E em 2010, a idéia havia atraído considerável atenção fora do cenário da criptografia.

Em dezembro, um artigo no PC World sugeriu que o Bitcoin poderia ser uma ferramenta que o Wikileaks poderia usar para evitar a interferência do governo. A Satoshi reagiu com uma emoção incomum. “Teria sido bom conseguir essa atenção em qualquer outro contexto”, observou ele no fórum Bitcoin. “O WikiLeaks chutou o vespeiro, e o enxame está se dirigindo para nós”.

Satoshi Nakamoto: Seguindo o Rastro de Breadcrumb Trail

Jornalistas, hackers e agências de inteligência examinaram breadcrumb trail (navegação por migalhas de pão) que Satoshi deixou para trás na esperança de adivinhar a identidade do inventor Bitcoin.

Embora Satoshi nunca tenha compartilhado nenhum detalhe pessoal em suas comunicações, uma vez ele se descreveu (em um perfil em um fórum peer-to-peer) como um homem de 37 anos de idade vivendo no Japão — um fato que praticamente ninguém acredita. Então, de onde ele era, na verdade?

Satoshi deixou um Easter egg nos metadados do bloco de Gênesis — o primeiro Bitcoin já extraído: “The Times 03 / Jan / 2009 Chancellor à beira do segundo resgate para bancos”. O texto vem de uma manchete do Times of London daquele dia.

Satoshi também fez uso liberal de britânicos como “favor”, “matemática”, “plana” (para seu apartamento) e a frase “muito difícil”. Tudo isso apontaria para o inventor como oriundo ou residente do Reino Unido — a menos que Satoshi estivesse inventando pistas falsas desde os primeiros dias em que concebeu o Bitcoin.

Pesquisadores, ao analisar os carimbos temporais das diversas atividades online de Satoshi, reduziram os prováveis fusos horários do criador do Bitcoin para o Reino Unido (GMT), leste dos EUA (EST), ou Pacífico dos EUA (PST).

Há quem esteja convencido de que a Satoshi não é de fato uma pessoa, mas sim uma equipe de programadores, talvez até mesmo incluindo alguém que trabalha dentro da NSA.

“Ele é um programador de classe mundial, com um profundo conhecimento da linguagem de programação C++”, disse Dan Kaminsky, um dos maiores pesquisadores mundiais em segurança da Internet, ao The New Yorker em 2011. “Ele entende de economia, criptografia e redes peer-to-peer”.

A conclusão de Kaminsky? “Ou há uma equipe de pessoas que trabalhou nisto ou este cara é um gênio”.

Desmascarando Satoshi Nakamoto

Se Satoshi é de fato apenas uma pessoa, ele pertence a um grupo muito especializado de programadores que provavelmente conta em dezenas. Os palpites sobre sua identidade cresceram muito.

Alguns têm sido ridículos. Em 2014, a Newsweek anunciou com grande alarde que a revista tinha localizado o criador de Bitcoin no sul da Califórnia — na forma de um físico aposentado de 64 anos, chamado Dorian Satoshi Nakamoto.

A julgar por sua genuína confusão ao aprender sobre sua suposta criação, este Nakamoto claramente só possuía um nome semelhante. (Satoshi, ou alguém possuindo seus dados de login, reapareceu no fórum Bitcoin em 2014 para declarar: “Eu não sou Dorian Nakamoto”).

Naturalmente, uma grande variedade de personagens reivindicou ser Satoshi. Há Jörg Molt, um ex-DJ alemão Vegas-magician hair que se comercializou como “cofundador do Bitcoin” para vender, entre outras coisas, um vinho espumante da marca Bitcoin.

E o australiano Craig Steven Wright, que, segundo um artigo da Wired de 2019, “ou inventou o bitcoin, ou [é] um brilhante embusteiro que quer muito que acreditemos que ele o fez”.

Dois dos suspeitos mais aceitos negaram a conexão. O primeiro é o pioneiro criptográfo Hal Finney (o cypherpunk que foi um dos primeiros usuários do Bitcoin).

Ele morreu de ALS (Esclerose lateral amiotrófica) em 2014, mas foi inflexível, mesmo em seu leito de morte, que ele não era Satoshi nem conhecia a identidade real do inventor Bitcoin.

No final de seu ALS, ele respondeu laboriosamente às perguntas de um repórter da Forbes via software de rastreamento ocular: “Você tem registros de como eu reagi ao anúncio do Bitcoin, e eu me esforcei para compreendê-lo.

Suponho que você poderia retorquir que eu fui capaz de fingir, mas não sei o que posso dizer a isso”. Fiz algumas mudanças no código Bitcoin, e meu estilo é completamente diferente do de Satoshi. Eu programo em C, que é compatível com C++, mas não entendo os truques que o Satoshi usou”.

Outro suspeito proeminente é o cientista da computação e cypherpunk Nick Szabo (autor do conceito do contrato inteligente que alimenta aplicações financeiras descentralizadas e criador do precursor Bitcoin Bit Gold de 1998), que tem negado constantemente seu envolvimento.

Uma simples razão para acreditar nele? Szabo é um participante ativo na cena criptográfica antes, durante e depois do Bitcoin, sob seu próprio nome. Por que ele teria criado uma identidade falsa para este único projeto?

Há também a especulação trágica e persistente de que Satoshi poderia ter sido um criptógrafo subliminar chamado Len Sassaman, que se matou em 2011, após uma longa batalha contra a depressão.

De fato, dois meses antes do suicídio de Sassaman, em uma das comunicações finais de Satoshi, o inventor de Bitcoin enviou um e-mail críptico para outro desenvolvedor dizendo que ele “provavelmente não estará por perto no futuro”.

Por que Satoshi Nakamoto Poderia Querer Permanecer Anônimo?

Por que Satoshi Nakamoto Poderia Querer Permanecer Anônimo

 

Se o verdadeiro Satoshi vive e respira, há algumas razões convincentes para ficar escondido. O governo americano tem um histórico bem estabelecido de processar indivíduos audaciosos o suficiente para inventar um concorrente do dólar.

Como informou The New Yorker:

O FBI declarou ser “uma violação da lei federal para indivíduos. Criar sistemas privados de moeda ou moeda para competir com a moeda oficial e a moeda dos Estados Unidos”.

De fato, os promotores federais perseguiram uma série de acusações contra os fundadores de uma empresa inicial chamada e-Gold em 2007, alegando que seu traje não impedia explicitamente a lavagem de dinheiro ou outros crimes.

Supondo que o criador do Bitcoin esteja vivo,  Satoshi poderia estar no caminho certo para se tornar o ser humano mais rico do planeta. Mas há mais uma reviravolta fascinante.

Como a cadeia de blocos do Bitcoin está aberta, é possível aos pesquisadores identificar plausivelmente grande parte do Bitcoin que Satoshi extraiu nos primeiros dias de sua invenção.

Logo no início, quando Satoshi enviou algumas moedas de Bitcoin para os primeiros testadores como Finney, as moedas de Satoshi parecem nunca ter sido enviadas ou gastas, ou capitalizadas de qualquer forma.

Ao longo de mais de uma década, como o patrimônio do inventor do Bitcoin cresceu até valer potencialmente dezenas de bilhões de dólares, a parcela de dinheiro que a Satoshi literalmente fez permaneceu intocada — um vasto cache das chamadas “moedas perdidas” que poderiam estar em circulação, mas não estão.

Satoshi Nakamoto: Resumindo

Então, quem é a Satoshi? Um dos principais suspeitos? Uma das muitas outras pessoas que foram identificadas como o criador de Bitcoin ao longo dos anos? Alguém de quem ninguém jamais suspeitou? O Satoshi está vivo ou morto? Um único inventor ou uma equipe?

Com o passar dos anos, parece cada vez mais provável que nunca saberemos as respostas.

O que nos resta é a criação de trilhões de dólares de Satoshi, um pequeno cache de comunicações, e talvez um presente final.

“Moedas perdidas só fazem as moedas dos outros valerem um pouco mais”, escreveu Satoshi, em resposta a um tópico BitcoinTalk de 2010 sobre usuários perdendo acesso a suas carteiras. “Pense nisso como uma doação para todos”.

5/5 - (7 votes)

Posts Relacionados

error: