Ruas de Lima ficam tensas com líder peruano insinuando eleições antecipadas

Ruas de Lima ficam tensas com líder peruano insinuando eleições antecipadas

A nova presidente do Peru, Dina Boluarte, disse que formará um novo governo no sábado, mesmo com os manifestantes pressionando nas ruas de Lima pela libertação do ex-presidente Pedro Castillo após uma suposta tentativa de golpe fracassada.

Boluarte disse a jornalistas que, se a situação “justificar”, o governo consultará o Congresso sobre a realização de uma votação presidencial antecipada.

Ela exortou aqueles “que estão saindo em protesto … para se acalmarem”.

As manifestações continuaram na sexta-feira, com manifestantes bloqueando estradas com pedras, toras e pneus queimando enquanto pediam eleições antecipadas.

Os bloqueios interromperam o tráfego ao longo da Rodovia Pan-Americana do sul, que liga o Peru ao Chile.

Dois dias após o fracasso de sua tentativa de golpe, Castillo está dividindo um centro de detenção com o ex-presidente Alberto Fujimori em uma base policial em Lima.

A promotoria acusa esse professor rural esquerdista de rebelião e conspiração, e um tribunal superior o condenou a sete dias de detenção preliminar.

Nas ruas, entretanto, as manifestações seguem pelo segundo dia e alimentam a incerteza sobre a possibilidade de Boluarte concluir seu mandato em 2026, como ela mesma anunciou ao tomar posse.

Centenas de manifestantes marcharam pelo centro colonial da capital, exigindo a libertação de Castillo.

“Votei em Castillo, este Congresso não nos representa, queremos Castillo libertado”, disse Maribel Quispe à AFP, na marcha que saiu da central Plaza San Martin, e incluiu o Ministério Público em seu caminho para o Congresso.

“Queremos que fechem este Congresso corrupto e libertem Castillo. Ele tomou a decisão de fechar o Congresso porque não o deixaram trabalhar”, disse a manifestante Sara Medina.

Várias dezenas de policiais de choque fecharam as avenidas que levam à legislatura para impedir a passagem do protesto.

Os manifestantes queimaram faixas com a imagem do presidente Boluarte, gritando “golpista!”

Na sexta-feira anterior, o ex-chefe de gabinete de Castillo disse que o ex-presidente peruano “poderia ter sido induzido” pelas drogas a dissolver o Congresso e não se lembra de ter proferido o discurso nacional que levou à sua queda.

O Congresso deveria debater o impeachment de Castillo na quarta-feira por acusações de corrupção, mas o presidente se antecipou ao anunciar em um discurso televisionado que estava dissolvendo a assembléia e governaria por decreto.

“Há indícios de que o presidente foi obrigado a ler a mensagem de dissolução, e quem escreveu o texto o fez para fornecer um argumento para sua destituição”, disse o ex-assessor Guido Bellido no Twitter.

Bellido, que visitou seu ex-chefe na base policial de Lima, onde está detido enquanto é investigado por rebelião e conspiração, também questionou o estado mental de Castillo.

“O estado psicológico de P. Castillo ao ler a mensagem à nação mostra que ele não estava no controle de suas faculdades. Isso sugere que ele poderia ter sido induzido. Um teste toxicológico é necessário com urgência”, disse ele.

A ex-professora de escola rural obteve uma surpreendente vitória eleitoral sobre as elites tradicionais do Peru em junho de 2021.

As acusações contra ele levam a uma pena de prisão entre 10 e 20 anos.

Boluarte, que foi vice-presidente de Castillo, foi empossada às pressas como a primeira mulher presidente do Peru poucas horas após o impeachment.

No entanto, aumentam as dúvidas sobre sua capacidade de manter o cargo até o final de seu mandato em 2026 em um país propenso à instabilidade política que está em seu sexto presidente em seis anos.

Relevant news

Deixe um comentário

error: